Destino Alasca

Segunda-feira: Jackson / MO - Lafayette / LA

24.10.2011

Muitas mudanças de rumo em pouco tempo! Durante quase oito meses seguimos um roteiro razoavelmente definido, oscilando um pouco para cá ou para lá mas sempre ao longo de uma linha mestra. Agora, em duas semanas, duas mudanças radicais de plano. Ah, faz parte!

A viagem até Lafayette foi um tanto medrosa, pois não sabíamos como estaria o físico depois da canseira da semana anterior. Até pensamos em parar em Baton Rouge, e nem fizemos reserva de hotel, mas no fim deu para ir tranquilamente até Lafaytte, graças também ao tempo bom com temperaturas agradáveis - quase quente demais.

A estrada de Baton Rouge a Lafayette é muito interessante: essa região da Louisiana é alagadiça, com pântanos, e há muitos trechos em que a pista corre por cima da mata, com canais, rios ou lagos por baixo: duas pistas para cada direção e no meio, lá embaixo, água. Um dos trechos chega a ter quase 29 km de extensão, formando uma ponte, a estrada correndo sobre pilastras a uns 10-15 metros acima do solo.

A parada em Lafayette foi exclusivamente para pernoite, mas mesmo assim tivemos uma surpresinha interessante: já havíamos comido na estrada e não pretendíamos jantar, mas queríamos comer alguma coisinha. Ao lado do hotel havia um restaurante grego/libanês - não é a primeira vez que vemos essa combinação por aqui, não sabemos por que ela ocorre. E tivemos a oportunidade de comer quibe frito, chamado aqui de Kubbi. Bem feito mas meio sem tempero - pode até ser que esse seja o certo, mas para nosso costume ele estava insosso.

E em menos de quarenta e oito horas a viagem se transformou num simples retorno para casa - bem nem tanto, ainda deu para passear um pouco...

 
 
 
Bookmark e Compartilhe
 

Comentários (2)

2/2/2017 20:06:51
G1UMIX98
Ken, as a soil scientist, did you ever study the goodness, beauty or dignity of soil? I think not. And if you made any reference to such things, it wasn’t empirical science that underwrote it.Of course, you’ll now tell me how such things (worth/value/dignity – in general, any meaning/purpose to reality) are not objective and are subjectively constructed by humans. Apparently if science cannot study it (i.e. meaning/purpose), it is automatically not objectively ‘real’… Wow – what a presupposition – and has nothing at all to do with scne&ce.  Daleinbsp; 
 
28/6/2016 15:12:28
G7GCOJSNNQ30
Just what the doctor orrdeed, thankity you!
 

Comente

Nome
E-mail
Comentário
Escreva a chave:
GPHJ
 abaixo