Destino Alasca

Terça-feira: Indianapolis, IN - St. Louis, MO

11.10.2011

 
A viagem foi rápida mas poderia ter sido ainda mais: direto pela Interstate 70, cuja velocidade máxima é de 112km/h. Mas o que havia de pista única por causa de obras foi incrível. Mas foi uma viagem tranquila, pois o tempo estava bom, só com algumas nuvens cobrindo o sol de vez em quando, 25ºC: bem agradável. Estamos vivendo uma onde de calor que veio essa semana, talvez para compensar a de frio da semana anterior...

Ah, e demos uma passada rápida pelo Brasil, ou melhor, Brazil. Na hora faltou vontade de entrar para ver como era e acabamos registrando somente a passagem pela estrada.

Algo que já queríamos ter comentado mas que hoje extrapolou o razoável: um dia vimos uma embalagem de maionese Hellman's e nela está escrito real mayonnaise. Depois foi um tablete de chocolate: real chocolate. Será que há tanta coisa fake por aqui que os de verdade têm que se afirmar dessa maneira? E hoje veio a gota d'água: um billboard (aquilo que por alguma misteriosa razão se chama de outdoor no Brasil) de uma clínica médica anunciando real doctors. Como é que é???

clique na foto para ampliá-la
Descobrimos o Brazil  
clique na foto para ampliá-la
Chegando ao rio Mississipi  
clique na foto para ampliá-la
Lago Muskegon com hotel ao fundo  
clique na foto para ampliá-la
Almoçando em Lacledes Landing  


E falando de billboards, outra coisa que chamou a atenção são advogados (devem ser escritórios grandes mas no anúncio aparecem foto e nome de uma pessoa) oferecendo seus serviços ao longo da estrada a quem tenha sofrido acidentes com danos pessoais.

Ah, mais uma: nos estados de Indiana e Illinois, como em outros que já atravessamos, não é obrigatório o uso de capacete por motociclistas. O que chama a atenção é que nesses estados o pessoal se comporta como se capacete fosse proibido: ninguém usa! E é relativamente comum ver o cara pilotando sem sequer usar óculos de proteção, só óculos de sol. Será que nenhum motoclista nesses estados acha que o capacete pode ser uma coisa boa para sua proteção? Se houver esse motociclista nós não o vimos. E já tomamos umas duas pedradas arremessadas por caminhões que simplesmente não entendemos como eles enfrentam de cabeça desprotegida. Será que as pedras só acertam capacetes?

Saímos de Indiana, entramos em Illinois e após atravessar o rio Mississipi chegamos a St. Louis, no Missouri. St. Louis é grande, com mais de 350 mil habitantes, e tem um Centro de Convenções enorme - ficamos no Holliday Inn bem ao lado dele. Pelo jeito esse hotel só tem movimento quando há eventos - ele estava muito vazio.

Fomos almoçar na Second Street, uma rua estreita de paralelepípedo, próxima ao rio Mississipi e do parque Jefferson Memorial, onde fica o Gateway Arch. Essa rua fica em Laclede's Landing, que é o centro turístico da cidade. Ela concentra muitos restaurantes em apenas uma quadra, alguns com mesas na calçada, muito agradável.

É uma rua muito interessante, lembrando um pouco a Rua Avanhandava, em São Paulo. Mas ao contrário da Avanhandava, os paralelepípedos desta estão super desalinhados, e os carros passam bem devagar, e os motoristas ficam olhando para as pessoas que estão sentadas à mesa... é esquisito. Há muitas pessoas negras nessa região e para o preconceito que, principalmente nós paulistanos, cultivamos em função da criminalidade, é bonito e um pouco difícil de compreender plenamente a convivência completa e respeitosa entre as etnias.

clique na foto para ampliá-la
A cidade vista do alto do Gateway Arch  
clique na foto para ampliá-la
Homenagem ao idealizador e construtores do arco  
clique na foto para ampliá-la
Gateway Arch visto da Market Street  
clique na foto para ampliá-la
Antiga corte de justiça  













Depois do almoço fomos ver o Gateway Arch (Arco do Portão) ou Portão do Oeste. Ele simboliza a expansão dos Estados Unidos para o oeste. Foi desenhado em 1942 depois de um concurso com mais de cem participantes e a obra começou em 1963 e terminou em 1965. Tem 192 metros de altura e pode-se subir ao topo num trem-elevador com sete cabines bem pequenas, onde cabem cinco pessoas. No topo do arco só existe uma galeria de uns 20-30 metros com minúsculas janelas pelas quais é possível ter uma bela vista do Rio Mississipi de um lado e da cidade do outro.

Quando se compra o tiquete umas das perguntas feitas pelo funcionário é se a pessoa sofre de claustrofobia. Pensamos que fosse relacionado ao topo do arco, mas agora acreditamos que a pergunta é voltada às cabines de subida, pois se cinco adultos entrarem numa cabine a situação pode ficar complicada: os cinco assentos (simples bancos de fibra, sem descanso de braço ou coisa parecida) são dispostos num semi-círculo, e os próprios assentos praticamente encostam um no outro. Imaginem cinco adultos tentando se espremer nesse semi-círculo! Mas eles estavam colocando somente duas pessoas em cada cabine, só se fosse família de quatro pessoas eram colocadas juntas. A portinha de entrada já parece de casa de anão, pois não dá para se entrar esticado, tem-se que se dobrar.

Mas vale a pena o desconforto, pois além da bonita vista é divertido ver a engenharia das tais cabines: são articuladas de alguma forma, pois o conjunto parte mais ou menos horizontal mas sobe quase verticalmente. Inclusivem quando se chega ao destino, tanto na subida com na descida, a cabine que estava à nossa frente está atrás da nossa e vice-versa.

Do Gateway Arch voltamos passeando pelo centro até o hotel. St. Louis é uma cidade que deixa uma sensação meio estranha: estávamos em pleno centro financeiro e comercial da cidade, e as ruas desertas, tanto de carros como de pedestres. É muito estranho!
 
 
 
Bookmark e Compartilhe
 

Comentários (1)

28/6/2016 08:56:47
QEFYDAFCB
You speaketh the truth Android, it seems it was an epic 360. Win, well epic, if defined by possibly better textures in places and maybe minute.frame rate advantages. Bugger all in between two in reality.The shadows look hideous on both versions, and the dips in frame rates in low twenties would definitely put me off console version if can be avoided.. 360 gets win when you really delve Into it, but advantages are minusculeXbox 360 the greatest console ever made and to red light yada yada yada john carmackVN:R_U [1of(17_1161].9r.m 4 votes)
 

Comente

Nome
E-mail
Comentário
Escreva a chave:
CJRP
 abaixo