As Viagens de Ricardo Lugris


MOTOCICLETA, O FASCÍNIO DAS CRIANÇAS

 
O olhar daquele menino de apenas 10 anos fixado na bela BMW preta traduzia todo seu fascínio por aquele estranho veículo mal equilibrado em duas rodas.

Inicialmente um pouco envergonhado, ele admirava aquela motocicleta de longe, tentando se fazer quase invisível ou desapercebido para o proprietário dessa maravilha mecânica.

clique na foto para ampliá-la
A placa era inglesa e o “motociclo” (como se costumava chamar nessa época), estava carregado ao máximo, típico de quem estava fazendo uma longa viagem.

As estradas naquele Rio Grande do Sul de 1968 eram quase todas de terra, assim como as estradas argentinas, uruguaias e chilenas. A poeira acumulada sobre a motocicleta era testemunho d a quilometragem adquirida ao longo dessas vias.

Durante vários minutos, o moleque rodeava a moto, verificava cada detalhe nela como se admirasse um brinquedo novo em uma vitrine com a certeza que não o poderia possuir.
Timidamente o “guri” aproximou-se da moto para dar uma olhada nos instrumentos nessa BMW que se resumiam ao velocímetro e ao indicador de temperatura do motor.

Nesse momento, o motociclista se dirigiu ao garoto em um espanhol misturado com algo de inglês:
- Gostas da moto? Perguntou ele.
Com um aceno afirmativo de cabeça, por medo de não ser compreendido, o menino preferia não admitir que o que lhe fascinava era a quantidade de bagagem presa à moto e as bandeirinhas e “adesivos de países e lugares” que abundavam em qualquer superfície disponível, como se fossem tatuagens no braço de um velho marujo.

Elas contavam uma história!
Posteriormente, ficou evidente que viajar de moto e contar histórias seriam capitais na vida adulta daquele moleque curioso.

Hoje, com 54 anos de idade não lembro quanto tempo passei junto à motocicleta e se eventualmente “torrei” a paciência daquele amável viajante.

O que lembro é essa imagem, de um homem atencioso, e paciente, como uma referência de um viajante aventureiro e desbravador.
O sentimento de um garoto de 10 anos que sem mesmo saber, eventualmente decidiu ali mesmo que a viagem e a motocicleta assumiriam participações fundamentais em sua vida futura, tanto pessoal, quanto profissional.

Muitos anos depois, cumprida a profecia, em cada uma de minhas viagens pelo mundo guardo uma sensibilidade e atenção especial aos olhares e à curiosidade de crianças em relação a mim e à minha moto.

Uma motocicleta de viagem intriga os pequenos

Seduz, fascina, provoca o senso de descoberta, pois envolve elementos fundamentais de geografia e aventura associados ao desafio da tecnologia.

clique na foto para ampliá-la
É muito comum que um pai se aproxime com seus filhos para conversar conosco quando viajamos, para saber de algo, perguntar de onde viemos, para onde vamos ou, simplesmente, para olhar, apreciar e analisar a moto. Ao mesmo tempo que vamos contando de onde somos e para onde viemos, ele vai utilizando esses elementos para passar informações a seu filho.

Gosto sempre de propor ao inesperado visitante que coloque a criança sentada na sela da moto. A reação é sempre de entusiasmo e alegria.

Para os garotos de 10, 12 anos que vejo como reproduções daquele guri que um dia fui, gosto também de dar a eles a oportunidade de ligar a moto.

Giro a chave, me certifico de que a marcha está em “neutro”, indico onde está o starter e espero pela reação.

A surpresa, o pequeno susto e o sorriso que se seguem são prazeres únicos e grandes afagos em minha alma de viajante e de pai.

clique na foto para ampliá-la
clique na foto para ampliá-la
clique na foto para ampliá-la













Procuro sempre levar lembrancinhas para crianças que encontrarei no caminho.
Adesivos, chaveiros, broches, lápis e canetas fazem parte de meu “kit de boa vontade” onde procuro deixar nos lugares minha pegada cultural.

Em países onde os recursos são escassos, sobretudo nas comunidades mais remotas, procuro levar material escolar, canetas, lápis e borrachas para entregar à garotada.

Esses gestos de aproximação provocam uma reação positiva de retorno, não só dos garotos, como também da parte de seus pais e familiares.

Uma vez, estando no camping de São Pedro de Atacama dei a oportunidade a um garoto de uns 8 ou 9 anos de se sentar na moto e ele ficou ali, como eu há muitos anos atrás, observando atentamente o painel de instrumentos, a largura do guidão, o conforto da sela e eu percebia nitidamente que ele estava sonhando acordado.

Quando desceu, dei a ele uma caneta e um lápis e o vi se afastar contente pela experiência intrigante de ter estado tão próximo daquela grande motocicleta.

Algumas horas depois, no começo da noite, enquanto preparava um churrasco para meus companheiros de viagem, vejo à distancia chegar o mesmo garoto, desta vez acompanhado de seu pai.

O senhor se aproxima timidamente, cumprimenta a todos e me entrega um chapéu que tinha comprado como presente para mim em agradecimento à atenção que tinha dado a seu filho.

Eu gentilmente protestei dizendo que não tinha feito nada de extraordinário.

Ele então me disse: Infelizmente não é normal que estrangeiros tenham esse tipo de atenção e carinho com nossos filhos.
- Portanto, venho, com este presente, lhe agradecer, assim o senhor também terá uma lembrança boa de nossa terra.

clique na foto para ampliá-la
clique na foto para ampliá-la
clique na foto para ampliá-la













Uma prova de que a generosidade e amabilidade compensam em qualquer caso

A sessão de fotos com crianças junto à motocicleta, faz parte de cada uma de minhas viagens. É uma rotina que aporta uma alegria imensa a este viajante.

Seus olhares, inquisitivos, admirativos e sonhadores fazem parte das memórias ao final de cada viagem quando volto a guardar minha moto na garagem.

Em muitos casos, contei com a ajuda desses pequenos seres cheios de esperteza e idéias, pois ninguém conhece melhor seu território, seu bairro, sua região, do que eles mesmos.

Crianças são puras de sentimento e suas emoções, transparentes. Seu entusiasmo em relação a nós, seres viajando em grandes veículos de duas rodas transcende os livros de aventura que eles normalmente devoram e os aproxima um pouco, por nosso intermédio, da fantasia e do mundo imaginário e hiper-realista de suas infâncias.

Ajudá-los a sonhar é mais que uma gentileza, é uma obrigação, um dever de qualquer adulto.
Uma vez, voltando de Merzouga, onde se encontram as grandes dunas vermelhas no sul do Marrocos, eu estava em pleno deserto do Sahara e não havia estrada definida para seguir.
Tomei o caminho que achava mais apropriado e, fascinado pela beleza do deserto acabei me perdendo do restante de meu grupo de amigos.

O resultado é que acabei rodando 3 horas sem ter exatamente certeza se conseguiria encontrar a estrada asfaltada que, um pouco mais ao norte, cruzava a imensidão do deserto.

Com gasolina e água suficientes, elementos essenciais nesse ambiente, fui mantendo no mesmo nível a tranqüilidade e o rumo norte de minha bússola, para tentar interceptar, cedo ou tarde, a estrada que vai da capital, Rabat, a Essauíra no sul do Marrocos..

O problema ali era a areia solta que forçava minha pesada GSA a enterrar a roda dianteira. Odeio essa moto na areia! Seu nariz é muito pesado!

Ao passar por um pequeno oásis, vejo um grupo de tuaregues com seus camelos e decido pedir informações.

Um deles, um garoto de uns 12 anos, vestindo a característica indumentária de cor índigo que faz este povo ser conhecido como os “homens azuis” pois o tecido, ao descolorir, lhes mancha a pele, correu até onde eu estava.

Perguntou-me em francês se eu o poderia levar até a vila, a 25 quilômetros dali e assim ele me mostraria o caminho de volta ao asfalto.

Disse a ele que teria dificuldade de levá-lo, pois já era difícil em “solo” na moto, com garupa seria praticamente impossível por causa da instabilidade da superfície arenosa.

Ele sorriu um sorriso largo e divertido, e disse-me:
Comigo, “patrão”, o senhor não terá que passar pelos trechos de areia solta. Tenha certeza disso.

Na seqüência, sentou-se na garupa como quem monta em um camelo e apontou com a mão esquerda.
- Por ali, decretou. E eu, resignado, diligentemente obedeci.

Fizemos 18 km de deserto juntos e ele me conduziu brilhantemente por caminhos de solo firme onde pudemos confortavelmente andar entre 50 e 60 km/h.

Já no asfalto, ele deixou transparecer toda sua alegria e gritava a plenos pulmões, iiuhhhuuuuu!!!
Enquanto eu, agradecido e para retribuir, acelerava a GSA a quase 150 km/h já sobre um asfalto de boa qualidade.

Ao passarmos na estrada por um microônibus cheio de passageiros, ele gritou algo em árabe ao motorista.

clique na foto para ampliá-la
Perguntei o que tinha dito. Ele simplesmente respondeu que antes de mim tinha passado esse microônibus e eles, por ter o carro cheio de turistas europeus, tinham se recusado a lavá-lo para não incomodar os estrangeiros.

Deixei-o no café do vilarejo e ele, para mostrar sua gratidão, convidou-me a tomar um chá de menta, na mais pura tradição berbére.

Consumimos nossos chás tranquilamente, no silêncio de uma conversa sem palavras, como só as pessoas destes lugares remotos sabem fazer.

Quando decidi continuar meu caminho, perguntei a ele por curiosidade o que ele tinha exatamente dito ao motorista do ônibus quando passamos com a moto.

Ele então repetiu, desta vez em francês:

...Aqui, vou mais rápido! Tão rápido quanto o vento levando consigo a areia do deserto!

Mais uma prova que a motocicleta muitas vezes nos faz confundir fantasia e realidade, exatamente como fazem as crianças, de qualquer idade, em qualquer lugar do mundo.

Ricardo Lugris

 
 
 
Bookmark e Compartilhe
 

Comentários (21)

28/6/2016 09:12:08
K5MXTJHS
I always thought that he jumped from the rear door. Will he be sucked into the engine when he jump out from the pilot window? Im not sure if the turnulibe created by the front opening would allow him to jump out. Good finding Bolsavik.
 
21/9/2015 10:41:27
PAULO MARQUES
Gostei muito!
 
22/8/2012 00:26:21
EMANOEL VINHEDO
Ricardo Lugris, obrigado por nos brindar com mais esta passagem que a motocicleta te proporcionou.
Hoje vi no Facebook que você e sua esposa estão em viagem pela Itália, e certamente, em breve teremos mais histórias aqui contadas por você.
Parabéns, e continue nos presenteando com os seus belíssimos textos.
 
21/8/2012 15:02:01
HORACIO
Grande texto, carissimo. Grande gesto dividir conosco o que lhe vai na alma. Abs
 
18/8/2012 10:12:00
ALFONSO LUGRIS
Ricardo: Esto és una poesía!!! Felicitaciones hijo de quién años há y con alguna preocupación vió también un niño observando las motocicletas. Como hacen algunos de tus amigos yo también te animo.... a por el libro ....escritor..
 
16/8/2012 21:47:52
LUIZ FERNANDO TEDESCHI OLIVEIRA
Mais um relato fascinante, obrigado por compartilhar suas experiencias!
 
16/8/2012 12:56:43
JOSE PAULO
Ricardo, é incrível como você me leva de carona para viver estas suas passagens pelas estradas.
Eu e minha esposa já estivemos em Merzouga, mas de carro, e oportunamente, pretendemos voltar a Marrocos de moto.
Parabéns pelo texto.
 
15/8/2012 13:13:52
VINICIUS MANARTE
Excelente! Este foi dos bons! Muito bacana respeitar e valorizar as crianças. Vamos nos esforçar para dar uma boa educação as nossas crianças. Sempre com calma e sabedoria para realizarmos uma troca e gerar aprendizado.
 
15/8/2012 09:14:24
MARCIO CELANT
Parabéns,o seu jeito de escrever suas viajens pelo mundo,me dão carona e tudo fica tão real como se eu já tivesse ido.
Um grande abraço.
 
15/8/2012 07:44:24
ROBERTO SARAIVA DA SILVA
É, tá na hora do livro...!
Abraço,
Beto Saraiva
 
14/8/2012 12:29:42
MANOEL COIMBRA GONÇALO
Caro Ricardo Lugris,
Já estive lá no Rio de Janeiro conversando com o Eduardo Wermelinger sobre a obrigatoriedade de você publicar um livro.
Espero que em muito breve você nos brinde com a sua literatura.
Manoel C. Gonçalo (São Paulo)
 
14/8/2012 12:24:32
DANIEL ALVARES
É isso mesmo, com certeza muitos de nós se tornaram motociclistas graças a algum outro, que quando passou por nós, ainda crianças, nos despertou a vontade de um dia, também estar a viajar sobre duas rodas e despertar o mesmo sentimento. Parabéns pelo texto...
 
14/8/2012 11:42:10
RICARDO FORTIS
Xará, com o seu texto tens o dom de nos remeter para a mesma emoção vivida por ti.
Parabéns.
 
14/8/2012 11:12:59
BEA BALEN SUSIN
Querido Ricardo, este texto é recheado de sensibilidade e ternura. Gostei muito . Vou ter o prazer de um dia ler um livro inteiro ..teu ...de aventuras e emoções. Bjão
 
14/8/2012 10:47:45
GERALDO BERGAMO FILHO GEBÊ
É no olhar de uma criança que descortina toda a pureza de sentimentos e vc conseguiu capturar esse momento de muita emoção proporcionando a ela a oportunidade da realização de um sonho, parabéns mais uma vez e continue nos proporcionando esse momento também com suas crônicas. grande abraço Gebê
 
14/8/2012 09:43:17
RENATO
Parabéns! Já fui criança em uma oficina de carros, sei da paixão que as máquinas despertam nas crianças. Acabei engenheiro e motociclista.
 
14/8/2012 09:18:21
ADV
A moto nos torna poetas...
Alguns mais que outros, é certo. Ricardo Lugris, Marcelo Resende e Eduardo Wermelinger são dessa estirpe, deixando a alma transparecer em palavras sempre ligadas a este maravilhoso veículo.
Continuem firmes e fortes com o site!!! Sei de todas dificuldades que é manter atualizado, mas é algo que faz parte das coisas da vida que só a paixão explica. Ou não...
Parabéns!
Abraços;
Adv
 
14/8/2012 08:46:26
CÉLIO BENÍCIO
Caro Lugris
Fiquei emocionado ao ler seu relato.
Muito bacana mesmo, parabéns!
Siga sempre em frente com este belo e largo olhar.
Célio Benício
 
14/8/2012 00:44:47
LEONARDO CASTANHA
Como sempre, poetizando paisagens.. Obrigado Lugris!
 
13/8/2012 21:01:52
OSWALDO PIGOSSI JR
Bravo!
Nunca deixo de ler suas "cronicas"da vida aventureira, sempre fico feliz nos finais. Parabens Ricardo, vc além de um grande escritor é um excelente motociclista. Como escreveu outra fã sua abaixo, continue escrevendo.
Grande abraço
 
13/8/2012 19:35:36
LEONOR TAJES
FAN-TÁS-TI-CO! Continue escrevendo, Lugris!
 

Comente

Nome
E-mail
Comentário
Escreva a chave:
OAJH
 abaixo