As Viagens de Ricardo Lugris

ROTA DA SEDA - PARTE 1

 
Fotos Ricardo Lugris e Samarca NDA Group


Estávamos no Turkmenistão, e nossa decisão de cruzar o país pelo deserto de Arakoum, um dos mais quentes do planeta, surpreendeu até o funcionário da fronteira. No Turkmenistão, qualquer estrangeiro viajando de carro ou moto deve informar na chegada qual percurso pretende seguir para ser autorizado a atravessar um dos países mais fechados do mundo. O roteiro é delineado em um documento oficial e o visitante não pode se afastar da rota previamente estabelecida, sob pena de sérios problemas com a polícia.

clique na foto para ampliá-la
clique na foto para ampliá-la
clique na foto para ampliá-la













Partimos para a travessia do deserto às 5 horas da manhã

Um trajeto de 550 km por péssima estrada nos esperava. Nenhum de nós, no grupo de nove robustas BMW R1200 GS Adventure e duas BMW R1200 RT, poderia imaginar as dificuldades que teríamos de transpor em quase 16 horas de travessia. Nossa viagem, depois de meses de preparação, se iniciara na Europa dez dias antes. Éramos 11 motociclistas, um brasileiro, um francês e nove italianos, além de quatro esposas na garupa, que saíram de Turim, na Itália, com o objetivo de chegar a Samarcanda, célebre cidade no Uzbequistão, a 8.000 km de distância, em 19 dias. Samarcanda é uma das cidades mais antigas do mundo, fundada cerca de 700 anos antes de Cristo.

clique na foto para ampliá-la
Estávamos no deserto, mas você ainda não sabe como chegamos lá. Percorríamos a rota da Seda, mítico caminho utilizado ao longo dos séculos por caravanas de comerciantes da China até as margens do Mediterrâneo. Ao longo dessa rota, formaram-se cidades-estados de grande importância como Khiva, Bukara e Samarcanda, todas no Uzbequistão, que sentíamos vontade de conhecer após o fim de décadas de isolamento do resto do mundo pelo regime soviético. Hoje, apesar das dificuldades políticas normais em uma região reconhecidamente instável, o acesso a esses países foi muito facilitado.

Organizar a viagem para um grupo grande foi, sem dúvida, complexo. Revisamos o planejamento e nos reunimos várias vezes ao longo de quase seis meses. Partindo de Torino, atravessamos a península italiana até o Porto de Ancona, no Adriático, e seguimos de navio durante a noite para o Porto de Igoumenitsa, na costa oeste da Grécia. Cruzamos o norte da Grécia, toda a Turquia até o confim com a Armênia e Irã. Depois de atravessarmos o Irã e o Turkmenistão, chegaríamos finalmente ao Uzbequistão pelo norte, com o objetivo de terminar nossa viagem na capital Tashkent, com visitas a Khiva, Bukhara e Samarcanda. As etapas seriam longas, sem chance de mudança de roteiro para pernoite. um grupo de 11 motocicletas e 15 pessoas não se hospeda de improviso. Tivemos de adaptar o roteiro à existência de hotéis, não muito frequentes nesses lugares onde o turismo é ainda incipiente.

Entrando na Ásia

Saímos de Torino em uma manhã nublada com temperatura em torno dos 10°C e rodamos, sem nenhum tipo de inconveniente, os 600 km que nos separavam de Ancona, de onde sairia o ferry que nos levaria à Grécia. A viagem tão esperada quase não acontece para mim. uma crise de dor na coluna antes da partida, provocada por uma hérnia de disco, resultado de uma juventude selvagem, quase me impediu de partir. Saí de minha casa, nos arredores de Paris, assim mesmo, contra os conselhos médicos, de minha mulher e filhas para encontrar meus amigos na Itália. À medida que os dias foram avançando meu corpo foi se adaptando à moto e senti menos dor. Ajudou a boa posição de pilotagem da confortável GS e alguns Tandrilax.

clique na foto para ampliá-la
clique na foto para ampliá-la
clique na foto para ampliá-la














Algumas modificações nas motos foram necessárias. Tivemos de remover os catalisadores (não escaparíamos da gasolina com chumbo, que danifica os catalisadores), reforçamos a parte inferior das motos, protegemos os pequenos reservatórios de fluido de freio e a embreagem. Para esta viagem pela rota da Seda também escolhemos a dedo os participantes. Habilidades de condução, seriedade, independência, capacidade de relacionamento e bom humor foram características essenciais a serem consideradas. Viajar com um grande grupo foi, para mim, uma experiência nova e altamente enriquecedora. É muito mais divertido ter companhia, mas também é muito mais complicado movimentar 11 motos e 15 pessoas através de países e de fronteiras pouco frequentadas por turistas.

Saindo do ferry da Itália, atravessamos rapidamente o norte da Grécia em uma estrada ainda em obras. O espírito do grupo era animado e divertido. Fazia frio. Na manhã seguinte, cruzamos a primeira fronteira fora da União Europeia: Grécia com Turquia, que historicamente mantêm uma relação tensa e conflituosa. A ponte que divide os dois países abriga destacamentos militares de cada nacionalidade nas extremidades.

Como somos neutros, soldados de ambos lados cumprimentaram os motociclistas com entusiasmo. Não há muita gente passando por ali... O povo turco é amável e hospitaleiro, a comida é excelente e o sol, garantido.

Deve-se apenas evitar os meses de julho e agosto, quando o calor é excessivo.

Mantivemos uma boa velocidade nesse dia, passando por Istambul, suas mesquitas e seus palácios, uma das cidades mais bonitas do mundo. Cruzamos o mítico estreito de Bósforo, onde a Ásia encontra a Europa. No grupo, sobre a ponte, a comemoração foi geral. A maioria jamais estivera na Ásia. Chegamos, 400 km depois, à capital turca Ancara, cidade sem o charme ou a história de Istambul. Ancara foi construída após a Primeira Guerra Mundial, quando a turquia permaneceu do lado da Alemanha. Continuamos depois de uma noite em um hotel fuleiro, sempre para o Leste – o atrativo de viajar nessa direção é ter o sol de frente, dando boas-vindas pela manhã, e seguindo os viajantes durante a tarde, como se estivéssemos perseguindo sombras.

clique na foto para ampliá-la
clique na foto para ampliá-la
clique na foto para ampliá-la














Piscina, só sem a esposa. Após Ancara, cruzamos 700 km de um maravilhoso platô viajando entre 1.500 e 2.500 metros de altitude. Campos cultivados, vilarejos isolados com minúsculas mesquitas e seus minaretes para chamar os fiéis à oração davam vida à paisagem de montanha. A neve ao lado da estrada e nas montanhas, a temperatura em torno de 7°C, o céu azul e o controle das duas rodas causavam um profundo sentimento de independência.

No fim do dia estaríamos em Erzerum, grande cidade do leste turco. Nos confins orientais do país já não vemos aquela Turquia moderna e ocidentalizada da região Oeste, mais próxima da europa. O islamismo está presente no dia-a-dia, na forma de vestir, nos costumes e mesquitas.



... em breve estaremos publicando a segunda parte desta fantástica viagem pela Rota das Sedas.
 
 
 
Bookmark e Compartilhe
 

Comentários (24)

8/5/2012 15:10:14
M CRISTINA BIAZUS
Os teus relatos são incríveis, Ricardo. Que bom que possas reviver pedaços da história e nos trazer com o teu olhar e sensibilidade. Parabéns e obrigada!
 
8/5/2012 13:41:26
KELLY CRISTINA
que maravilha!!! viagem dos sonhos hein
parabens
 
13/4/2012 10:39:11
MARIA CARMEN LUGRÍS PAIVA
Parabéns irmão,por mais uma façanha!!Teu perfil aventureiro e corajoso é admirável!!!Tua cultura fantástica,e teu dom para escrever incrível!!Realmente eres uma pessoa abençoada,um verdadeiro "Cidadão do Mundo",e obrigado por compartilhar tuas experiências com teus familiares amigos e admiradores!!!Beijos da tua irmã que te adora,e não esquece...TE CUIDA!!!
 
13/4/2012 09:01:04
RICARDO LUGRIS
Caros amigos motociclistas, obrigado pelos encorajadores comentários. É um grande prazer poder compartilhar essas experiências com vocês. Para contactar-me, o mail é: ricardolugris@rotaway.com.br.
Estou às ordens para quaisquer informações ou dicas.
 
13/4/2012 08:10:18
MARIO ANTENOR
Viagem dos sonhos! Depois gostaria de dicas quanto a logística. Ricardo, parabéns
 
11/4/2012 19:19:04
RICARDO BRAGANÇA
Xará você cada vez nos surpreende com maravilhas como esta.
O Eduardo Wermelinger comentou que vc vai agora para Islândia. Tenho muito interesse quando vc publicar. Está nos planos, em 2013, também conhecer a ilha. Parabéns. Ricardo Bragança
 
11/4/2012 17:58:44
LUCIANO MORGADO
Ricardo, os meus parabéns por nos fazer viajar com a sua narrativa. Incrível esta viagem.
Morgado (Ribeirão Preto - SP)
 
10/4/2012 18:28:33
BRENO BALLISTERI
Maravilhoso este relato.
Já acompanho este site há muito tempo e esta é a minha 1ª postagem, e faço questão de dizer a vocês, PARABÉNS!
 
10/4/2012 10:25:55
VICENTE TORELLI
Ricardo Lugris e Eduardo Wermelinger.
Vocês estão precisando o quanto antes publicarem um livro com as historias vividas nas suas viagens de moto. Tanto Lugris e o Eduardo Wermelinger tem uma peculiaridade muito interessante de nos trazer cada um com a sua característica emoção nos seus relatos. Ricardo Lugris, Parabéns.
 
10/4/2012 08:02:43
JOSEPH ERNANDEZ
Magnífico Ricardo. Agradecemos por nos trazer em suas experiências de viagem, relatos tão cativantes como este.
Felicidades e parabéns. Joseph
 
9/4/2012 16:37:27
GERALDO BERGAMO FILHO GEBÊ
Olá Ricardo e demais participantes dessa "maravilhosa e espetacular" aventura, seus depoimentos aqui registrados até então, me remete a uma lembrança muito gostosa dessas paragens que percorri em meados de 2008, partindo de Paris e chegando a Capadoccia nos confins da Turquia percorrendo 17 países e voltando a Paris num percurso de 16.000 KMS, desvendando lugares nunca dantes imaginados com inúmeras ruinas romanas e paisagens deslumbrantes. Também sentí uma emoção diferente ao atravessar para a Ásia (turkey) e andentrar num território com seu povo de crença muçulmana e de muita hospitalidade e com características (comportamental) semelhantes a nós brasileiros. Visita a Tróia, Êfeso, Pamukale, Konia , Ankara e Capadoccia são inesquecíveis, assim como todos os lugares em sólo europeu. Obrigado e um grande abraço, estarei aguardando o restante de seus relatos. Gebê
 
9/4/2012 15:23:35
CLECIO
Olá a todos. Este relato do Ricardo só aumenta minha ansiedade pela chegada de 2013, quando está programada uma viagem semelhante, partindo de Istambul até Xian na China.
Irei com os "GlobeRiders" e a duração deverá ser de 53 dias e aprox. 13.000km. Atravessaremos 8 países:Turquia, Georgia, Azerbaijão, mar Cáspio, Turcomenistão, Uzbequistão, Targuiquistão, Quirguistão e China. Como sou o único brasileiro neste grupo (por enquanto !) convido outros malucos que queiram participar.
 
9/4/2012 14:48:18
ALFONSO LUGRIS
Hola Ricardo:En ese viaje me recreé siguiendote diariamente gracias a esta fantástica maquinita. Muy interesante y bién detallado que haces de esa exótica y oriental ""ruta dela seda"". También como tus amigos pienso en el libro.. Ánimo!!! Un abrazo.
 
9/4/2012 13:19:22
ESIO NUNES DE MORAES
Pessoal vcs são os malucos que eu gostaria de ser, sou um aficcionado por viagens de móto , mas não deste deste tamanho, mas vou me programar para próxima encarnanação ai sim vou estar com vcs. Abração do Esio de São José dos Campos S/P.
 
9/4/2012 12:50:04
FERNANDO PEDROSO
Ricardo,
que viagem maravilhosa, parabéns e continue nos munindo deste prazer,
abraço
 
9/4/2012 11:49:32
GUILLERMO GODOY
Ricardo, PARABÉNSSSSS, com maiúsculo, belíssima aventura.
Também passei pelo Estreito do Bósforo em 2010 e sé muito bem a emoção que isso produz. Grande abraço
 
9/4/2012 11:37:55
SILVANA
Amigo, que interessante este roteiro, queria ver mais fotos....grande abraco
 
9/4/2012 10:30:40
FELIPE MIRANDA
Já havia lido sobre essa viagem do Ricardo na Duas Rodas. Matérias de revistas são muito resumidas e mesmo assim deslumbram o leitor. Deixam um gostinho para ir além. Dignas de um livro fascinante.
 
9/4/2012 10:24:36
MARCOS THADEU
Ricardo, viagem dos sonhos. Abs
 
9/4/2012 09:25:05
OTAVIO ARAUJO GUGU
Ricardo,
Incrível seu relato, em que ano foi essa viagem? Muito bom conseguir reunir um grupo tão numeroso nessa viagem. Agora acho que além do livro vc deveria pensar num filme... Sério, seria ótimo. Grande abraço do amigo, Gugu - Taubaté/SP
 
9/4/2012 06:28:08
MARCELO VORCARO
Relato digno de filme, Ricardo.
Suspense, dificuldades, coracao disparado, e um roteiro simplesmente fantastico. Valeu por nos fazer "viajar"novamente pelo incrivel oriente com voces. Um abraco!!!
 
8/4/2012 21:35:10
PAULA MATOS
Eu vi o documentário na Discovery desta viagem. Vamos aguardar a segunda parte. Muito legal. Beijos e parabéns. Paula Matos
 
8/4/2012 21:29:36
BERNARDO MÜLLER
Relatos como este nos deixam inquietos para inserirmos em nossos planos, a mesma viagem. Ricardo, estamos aguardando a publicação do livro. Parabéns!
 
8/4/2012 21:24:22
CLAUS
Adorei de ler sobre esta viajem. Que lindo. Queria eu fazer. Um dia chegara!
 

Comente

Nome
E-mail
Comentário
Escreva a chave:
OTPH
 abaixo