As Viagens de Ricardo Lugris

UMA VIAGEM MUITO PRÓXIMA

 
Para muitos, uma grande viagem de motocicleta é aquela em que se vai a lugares de sonho, que mexe com o imaginário, sacode esperanças e anseios. É a viagem onde você tem a oportunidade de visitar lugares remotos, culturas estranhas e paisagens desconhecidas.

Fazer uma grande viagem de moto, de maneira geral, e para muitos, implica em cruzar fronteiras, enfrentar situações, povos e línguas diferentes, ver aquilo que na rotina de nosso dia-a-dia não existe ou simplesmente não acontece.

Entretanto, no que me diz respeito, uma grande viagem de motocicleta é simplesmente poder viajar ao interior de mim mesmo enquanto vejo passar paisagens, nuvens e gente.


Sobretudo, é encontrar uma razão para estar ali naquele lugar, naquele momento

Karl May, o célebre autor do “Winnetou” era alemão e nunca colocou os pés nos Estados Unidos, mesmo assim escreveu os melhores livros sobre o oeste americano que povoam nosso imaginário até hoje..

clique na foto para ampliá-la
Ele não nunca precisou atravessar o Atlântico para poder ambientar-se e desenvolver a narrativa das belas histórias em sua obra , um dos grandes clássicos do faroeste.
Há poucas semanas fiz uma pequena/grande viagem que em principio não deveria ser difícil de organizar e que tampouco deveria trazer-me muitas novidades.

Estando a trabalho em São José dos Campos, aproveitei os (excelentes) serviços de locação do Átila Fonseca da Boxer Moto Adventure em São Paulo, e junto com um amigo motociclista espanhol, Rafael López, alugamos duas BMW GS F800 e fomos fazer um passeio de três dias por lugares profunda e simplesmente maravilhosos.

Lendo este texto, vocês poderão com toda razão perguntar-se:
Puxa, o Ricardo já viajou por tantos países, que viagem ele pode fazer em torno de São José dos Campos, no Vale do Paraíba?

É isso mesmo, é essa viagem com pontos sinceros de retorno ao interior (do Brasil e meus mesmos) que pretendo contar a vocês:

No século passado, nos anos 80, a Mantiqueira fazia parte de meus fins de semana em trilhas intermináveis, paisagens e contatos deliciosos e histórias com os amigos na padaria, no final desses dias que nos faziam ter dores no maxilar, de tanto rir.

Aproveitando a presença do amigo europeu, tracei um roteiro onde pretendia, pelas pequenas estradas, descer por Mogi até Bertioga e percorrendo o litoral, ir pernoitar na Ilhabela no final do primeiro dia.

Nada mais simples, certo?
clique na foto para ampliá-la
Evitando a Rodovia Carvalho Pinto (não há nada mais internacional e sem personalidade que uma auto-estrada), fomos deslizando as elegantes e ágeis GS 800 por entre colinas e fazendinhas do interior de Jacareí, Santa Branca e Salesópolis onde o cheiro do mato, por tanto tempo esquecido retornou a mim como se fosse um presente de boas vindas.

Há muito eu não sentia os aromas de campo de nossa terra. Perfumes de mato, de fazenda e de terra molhada.

O sol de quase verão marcava uma temperatura amena e confortável

Perfeito para a motocicleta. Felicidade existe!

Meu capacete aberto, permitia acesso a todos meus sentidos.
Como é bom voltar para casa! Este é meu país. Estas são minhas paisagens. Esta é minha gente.

Entretanto, não demorou muito para que eu percebesse uma característica desagradável em minha terra para alguns motociclistas com um certo sentido de bom senso, disciplina e segurança, como eu:

O “motoqueiro”, e a sua 125cc...
Meu amigo, esses caras são tremendos! Eu nunca tinha antes percebido a forma absolutamente inconseqüente em que, de maneira geral, esse pessoal pilota uma moto.

Já na chegada a Mogi, rodando a confortáveis 80km/h tenho um “colega” que ultrapassa pela direita e passa como um foguete, a um palmo de minha moto.

Agressão? Desafio? Necessidade de afirmação? Inconseqüência?

Em qualquer caso, seja qual for a razão, ela será sempre injustificada pelo risco envolvido para ambos motociclistas, sobretudo para a saúde do próprio.

Esquecido o assunto, mas com muito mais atenção a outros exemplares dessa particular raça em duas rodas, continuamos descendo aquela serra extraordinária em direção a Bertioga, entre cachoeiras e montanhas com o azul do Atlântico ao fundo.

Visitamos rapidamente a Riviera de São Lourenço, condomínio bacana com ares de Flórida. Sinceramente, prefiro algo mais simples e mais brasileiro.

Logo em seguida, alguém atrás de mim, em um semáforo, pergunta se não estamos com calor com as nossas luvas, botas e jaquetas....

Me viro, e vejo um casalzinho jovem montado em uma 125cc, ele de capacete e bermudas, mais nada.

Sem camisa e sem sapatos, fazia um belo conjunto com sua namorada também de capacete, biquíni e havaianas. Mais um, pensei....

Imediatamente me veio à mente a imagem de um queijo sendo esfregado contra a parede de um ralador... Não gosto nem de pensar, dá até arrepios...

O que você responde para alguém que obviamente acredita no conforto, muito mais do que na segurança?

Disse a ele que minhas luvas, blusão e botas eram como o “colinho” de minha mãe. Serviam para me prevenir e proteger dos imprevistos da vida.

Não acho que ele tenha entendido a profundidade de minha filosofia. Pouco importa. Nossos mundos são absolutamente diferentes. Só que não precisaria ser assim.

Espero que ele, de moto, nunca venha a ter contato com o “ralador de queijo”.


clique na foto para ampliá-la
Sempre curtindo os vivos tons de verde da mata atlântica, fomos andando com o mar à nossa direita e chegamos com grande curtição e sem maiores dificuldades, à balsa de Ilhabela onde terminaríamos este primeiro dia em uma verdadeira redescoberta das estradas de meu país.

Com as motos em prioridade, embarcamos em poucos segundos quando carros já esperavam por mais de duas horas. Mais uma vantagem das duas rodas.

Eduardo Wermelinger, meu parceiro aqui no Rotaway, um cavalheiro e sempre um grande agente de relações públicas e boa vontade entre pessoas, pediu-me que contatasse um motociclista amigo seu que estava em sua casa na Ilha.

Relutantemente, para agradar a Eduardo, liguei para o amigo que se mostrou muito simpático e combinamos de jantar juntos naquela noite assim falaríamos de nosso assunto favorito, a viagem de moto.

Isso foi até o momento, acho eu, em que disse a ele que iríamos primeiro encontrar uma pousada, instalar-nos e que eu ligaria mais tarde para combinar onde jantaríamos.

Estou convencido que este amigo deve ter tomado minha ligação como uma possibilidade de insinuar-me para ficar hospedado em sua casa, o que, obviamente não era absolutamente o caso.

O resultado é que o amigo de Eduardo não atendeu mais o telefone e, obviamente, tampouco apareceu para jantar.

Para não parecer mal-educado, deixei um par de mensagens e fomos escolher um bom restaurante para a noitada. Diga-se de passagem, nosso amigo motociclista perdeu uma bela conversa.

Ficamos hospedados em uma lindíssima pousada chamada Mariola, com uma vista contundente de tão bonita, sobre o Pindá.

Recomendo a todos este belo lugar.

Nosso “papo” diante de uma boa moqueca de peixe girou em torno de minhas memórias de lugares como Ilhabela onde por muitas vezes fui, transportado em minha XL 250 por nuvens de borrachudos até a praia de Castelhanos, saco do Eustáquio e outras trilhas maravilhosas deste pequeno e protegido (pelo borrachudo) pedaço de paraíso.


clique na foto para ampliá-la
Deixamos a Ilha na manhã seguinte em direção a Ubatuba onde nos esperava um grande nome do motociclismo de viagem brasileiro e ser humano de grande envergadura: Otávio de Araújo, o Gugú, para um passeio em seu barco.

Chegando à Marina Porto-Escondido, lancha preparada, deixamos a pele de motociclistas e nos transformamos simplesmente em turistas de fim de semana.

Mais uma vez, memórias corriam em minha mente e coração. Tive um pequeno veleiro há vinte anos baseado no Saco da Ribeira, em Ubatuba.

Gugú, generoso e acolhedor, levou-nos até a Ilha Anchieta o que maravilhou nosso amigo Rafael por sua natureza, flora e fauna.

Por hábito não percebemos, mas essa costa, quando é traduzida pelos olhos de um estrangeiro, se revela pura, selvagem e absolutamente deslumbrante.

Na praia grande da Ilha Anchieta, o Gugú nos preparou uma excelente caipirinha e, naquele entorno, foram momentos de grande convivência entre amigos com sonhos, valores e objetivos comuns.

clique na foto para ampliá-la
Após o belo passeio de barco, nos despedimos e deixamos Ubatuba com um céu e nossos corações carregados de chumbo e gratidão pela hospitalidade do Gugú.

Percebo que a Rio-Santos com chuva é tão bonita, quanto com sol.

Sem pressa, fomos deslizando as deliciosas GS 800 suavemente em direção à outra jóia do litoral Sudeste do Brasil: Parati, onde chegamos ao final da tarde.

Encontramos uma boa e confortável pousada na velha cidadezinha e dedicamos o resto desse dia a curtir o ambiente alegre e descontraído desse lindo e pitoresco lugar.

No domingo, saímos cedo de Parati com o objetivo de avançar pela Rio-Santos até Angra dos Reis e subir para Lídice, Bananal, São Lourenço e Caxambu onde pretenderíamos pernoitar.

Da costa passamos à montanha em apenas uma dezena de quilômetros. As curvas na subida a Lídice e Bananal eram um convite ao prazer.


clique na foto para ampliá-la
A BMW GS 800 continua a nos surpreender positivamente


Acostumado com a solidez da minha BMW GS 1200 ADV, não esperava tal estabilidade, resposta e conforto na elegante, leve e ágil GS 800. As motos estavam dando tudo o que esperávamos delas.

Cruzamos as pitorescas cidadezinhas de Bananal e São José do Barreiro, pérolas da memória da época áurea da produção de café em São Paulo.

Deixando o estado Bandeirante e a delicada serra da Bocaina para entrar no sul de Minas e na serra da Mantiqueira, de longe, por sua beleza e grandiosidade, minha serra preferida.

Nos últimos anos tinha esquecido da proverbial simpatia, simplicidade e hospitalidade do povo mineiro

Fomos subindo para São Lourenço e, às 15 h nos demos conta que, entretidos com tantas paisagens e lugares interessantes tínhamos esquecido o básico: Almoçar.

Uma pausa no restaurante do “Juquinha” para aumentar um pouco a cintura com uma boa porção de cozinha mineira e também, aproveitando o momento, para assistir a largada do GP do Brasil na F1.

Com um pouco de chuva, e muito sono na digestão do feijão, torresmo, costelinha e outras comidinhas “light” da região, fomos toureando curvas até a cidade das águas.

Sinceramente, não achamos muita graça em São Lourenço, talvez, devido ao fato de estamos tão fascinados pelas paisagens de montanha da região, causava-nos estranheza entrar em cidades maiores.

Tentamos tomar um café, mas mineiro ainda não gosta de fazer expresso.
Preferimos, neste caso continuar o caminho para Itajubá.

Seguem-se estradas de curvas perfeitas para a motocicleta. O fim de tarde ensolarado ilumina com surpresa e sem preconceito campos e fazendas.

clique na foto para ampliá-la
O cheiro de terra molhada enche o espírito e renova memórias de alguns gloriosos Enduros da Independência onde os morros de minas tinham papel de destaque naqueles tempos heróicos onde se opunham Yamahas DT 180 a Hondas XL 250R.

Passamos por Maria da Fé onde estive em um neutralizado do Independência em 1986.

Exatamente 25 anos me separam daquele momento em que eu ainda era jovem, imortal e indestrutível.

Nesse enduro, na saída da cidade, há muito tempo, os jovens locais faziam parar os competidores para lhes oferecer um copinho de plástico com um gole da boa pinga local.

Esse gesto, simples e hospitaleiro, ficou em minha memória para sempre.


Chegamos a Itajubá em torno das 17 horas. Estávamos desde as 7 da manhã sobre a moto.

Rafael, um motociclista de trilhas e passeios curtos já começava a sentir os efeitos do cansaço.

Verifico no mapa, depois de constatar a pouca vida aparente dessa cidade em um fim de tarde de domingo, que uma estradinha de terra nos poderia conduzir diretamente a Campos do Jordão através de belas paisagens de montanha.

Vamos até Vila Maria, próxima a Itajubá e ali me informo sobre as direções a seguir com um motociclista local.
Há mais de 25 anos atrás eu sabia que nunca se deve perguntar a um “treieiro” mineiro sobre as condições da estrada e nem tampouco direções.
No primeiro caso, eles vão sempre dizer que a estrada é ótima, sem problema algum.

No segundo caso, se eles não souberem as direções, inventam.

Nosso amigo deu-nos as direções, acompanhou-nos até a entrada da estradinha e, quando eu apontei para o céu escuro, carregado de uma grande tempestade e perguntei. Se chover, como fica a estrada?

Ele me disse: Sem problema, o terreno é arenoso, não dá lama.

Para encurtar a história, “caiu o mundo” em termos de chuva e o terreno arenoso do mineiro era aquele saibrin, vermelhin, vermelhin, lisin, lisin que ocê desce assim, com a moto meio di ladin, sacumé?

Foram 40 quilômetros de uma lindíssima estradinha, de montanha, abaixo de aguaceiro, onde para subir escorregava e para descer...des-li-za-va.

Acho que tiramos nossa carteira de enduristas de pneu liso nesse dia

Foram 2 horas e meia de concentração até nossa chegada, bem molhadins a Campos do Jordão.

No primeiro hotel, encharcados e gelados até os ossos, eu não queria saber se o quarto tinha cama.

Queria saber se tinha banheira, e bem quente.

Meu sonho naquele momento era poder ficar uma hora em “banho-maria”. Fora um longo dia de mais de 12 horas na sela das motos.

Tivemos direito a um belo litoral, montanhas de tirar o fôlego, contato com gente boa e hospitaleira e para finalizar, uma sessão de verdadeiro motociclismo em estradinhas que fizeram de tudo para nos levar ao chão e não conseguiram.

clique na foto para ampliá-la
Tínhamos o suficiente para nos sentirmos realizados, de coração realmente pleno.

Uma boa pizza e uma longa noite de sono tranqüilo completaram este maravilhoso fim de semana onde a motocicleta, mais uma vez, presenteou-nos com impressões e registros a serem preservados em nossas almas.

Descemos de Campos para São José na segunda de manhã, e mais uma vez, pontualmente, o caminhão da Boxer nos esperava para recolher as motos e transportá-las a São Paulo.

Para evitar chocar seu proprietário, lavamos as GS800 de toda sua lama e mentalmente reconhecemos que sem essas duas motos não teríamos podido viver um fim de semana de verdadeiros motociclistas em aventura na sua própria terra.

Meu amigo Rafael?
Este reconheceu o privilégio de ter conhecido um Brasil autêntico, distante e diferente das grandes cidades e dos lugares-comuns no imaginário dos europeus.

Para ele, uma grande viagem. Para mim, sem dúvida, a viagem mais próxima.

Isso, obviamente, graças à motocicleta.

Esta última, de forma fiel, invariavelmente te recompensará.

Ricardo Lugris



 
 
 
Bookmark e Compartilhe
 

Comentários (21)

2/2/2017 20:31:40
WIVNGVFLGIWV
no sugar or fake sugars. Stevia is al;#ned.Wow&o8217lt her sponsors be a little miffed? She whores for fitmixer and GNC. Both of those protein powders have some sort of sugar in it.
 
28/6/2016 15:42:58
RFGGY50LIZ4
Thats way the beetsst answer so far!
 
5/4/2012 23:30:36
OSWALDO PIGOSSI JR
Ricardo, vc é fenomenal, ja fiz esse "roteirinho" um monte de vezes, mas vc conseguiu descrever de uma maneira tão especial que lendo pareceu uma viagem do outro lado do mundo, super legal, assim que tiver um tempinho, vou repetir e ver tudo de novo com outros olhos, espero ter um par deles iguais aos seus!!
Parabens!!
Só não vou "trair" minha GSA...
Abraços
 
18/2/2012 07:46:03
PORCOCANE
fantastica viagem ,,,realmente o brasil e fantastico, parabens e um motoabraco,,,a proposito , faco parte da familia gs 800, acabei de comprar 1.........
 
16/2/2012 09:38:43
JULIO NEVES
Caro Ricardo,

Como você é um expatriado e conhecedor da Europa, fique a vontade para comentar o post "Rumo ao Mediterrâneo" aqui no Rotaway. O Eduardo foi gentil em transcrever minha viagem com um grupo de amigos pelos Alpes em junho passado.

ABS.
 
15/2/2012 09:27:26
VINICIUS MANARTE
Obrigado pelo agradável texto. Muito bom!
Tivemos oportunidade de cruzar a Garganta do Registro na bela Serra da Mantiqueira, dias destes, retornanado de Itamonte (do ajuntamento BRs). Realmente é uma bela região. Ficou a vontade de retornar e explorar os detalhes.
Abraços,
Vinicius - BRs Guarapari, ES.
 
14/2/2012 20:10:42
TÚLIO ARANTES
Ricardo Lugris, parabéns pelo relato, que além de nos motivar a fazermos mais pequenas viagens como esta, também deixa um registro o quão é tão belo o no Brasil. Valeu Ricardo!
 
14/2/2012 17:30:29
RICARDO LUGRIS
Caro Julio,
Humildemente aceito sua correção. Falha minha.
Faltou revisão. Solicitarei a mudança imediata.
Peço desculpas a todos. RL
 
14/2/2012 17:15:55
JULIO NEVES
Prezado Ricardo,

Parabéns por todas as suas histórias publicadas no "Rotaway", são muito inspiradoras.
Como motociclista e ávido (na minha adolescência) leitor de Karl May (provavelmente inspirado nas suas estórias tornei-me um pretenso aventureiro) permita-me uma pequena correção: acho que o livro a que se referes é o "Winnetou", e não o "Último dos Moicanos", que é do americano James Fenimore Cooper.

De qualquer forma, o que vale é a oportunidade de andarmos de moto e contarmos belas histórias.

Abraço.
 
14/2/2012 15:40:41
DONATO MONTEIRO
Caro Ricardo,
O litoral Sul Paulista é delicioso, a Bocaina um paredão quase que intransponível, a Mantiqueira (minha paixão) tem recantos fantásticos, realmente vc escolheu a dedo o trecho e juntando a estes tua narrativa cativante o roteiro ficou esplendido, parabéns.
Grandes viagens sempre que possível, mas os pequenos trechos sempre dão um bom tempero.
Gd abc, boa estrada.
Donato Monteiro.

 
14/2/2012 13:49:09
MARCIO ALVES ROBERTO
Ricardo, temos mesmo que ir redescobrindo o nosso Brasil, com locais maravilhosos e cheios de diferenças, um país dentro de outro. E de moto ainda, muito melhor... Parabéns pelo texto!
Qualquer hora apareça por aqui no MS, conhecer o Pantanal, Bonito, e outros caminhos "alternativos". Estou à disposição, já convidei o Eduardo várias vezes. Abçs!
Marcio - Campo Grande/MS
 
14/2/2012 13:22:12
FELIPE MIRANDA
Ricardo como sempre escreve muito bem e transmite de modo simples e fascinante suas viagens. Parabéns Ricardo Lugris. Nosso Brasil apesar dos pesares vale a pena. Obrigado por compartilhar suas experiências. Em Ilha Bela temos nosso amigo Adriano. Um grande motociclista que com certeza além de os receber muito bem tem boas experiências a compartilhar.
 
14/2/2012 13:02:21
JU MEDEIROS
Oi Ricardo,

Seu relato deveria ser proibido, me deixou com uma vontade de ir morar por aí, kkk. quantos locais lindos e exóticos temos no nosso país em? Eu aqui numa ilha e minha moto me esperando no continente. Espero um dia ter o merecimento do Rafael e conhecer um Ricardo que trace uma rota dessas e com experiência dos points que só locais consegue ir e explicar.Acontece aqui na ilha, quando recebo algum amigo, eu o levo a mergulhos, passeios, pescarias que nunca uma CVC teria como fazer. Muito bom o texto. Parabéns.
 
14/2/2012 12:28:32
OTAVIO ARAUJO GUGU
Oi, Ricardo & Rafael !!!
O amigo nos presenteia com outro belo relato, sempre com humor e tiradas interessantes. Roteiro espetacular em nossa admirável região. Gostei muito de conhecer o Rafael e foi com imenso prazer que navegamos juntos em Ubatuba. Em maio, no seu retorno estarei atento aqui em Taubaté. Fraterno moto abraço aos dois amigos.
Gugu – Taubaté otavio@globalplayer.com.br
 
14/2/2012 11:14:08
GERALDO BERGAMO FILHO GEBÊ
Vc como afitrião, escolheu a "dedo", esse trajeto. Lugares maravilhosos e contrastante entre serra e mar para encher os olhos de qualquer um, principalmente estrangeiro. Estradas sinuosas e de mata exuberante, Mantiqueira é tudo de bom!!!! grande abraço Gebê
 
14/2/2012 10:37:57
ÁTILA FONSECA BOX MOTO ADVENTURE
Grande Ricardo
Fico sempre muito feliz em ler relatos de viagens sobre o Brasil. Obrigado por compartilhar! Grande abraço. Átila
 
14/2/2012 10:34:02
FERNANDO ZANFORLIN
Super passeio para um europeu e um brasileiro tb. Essa estradinha de Itajubá a Campos de Jordão chegando pelo Horto florestal é super. Fizemos essa viagem a 30 anos passados, de Belina com a família toda, foram 10 horas de viagem.Tinhamos que preparar a estrada para passar. Ricardo uma cidade para conhecer é Pocinhos, em MG. Recomendação de mineiro. Uaí Abraço
 
14/2/2012 10:31:46
ADV
Opá Ricardo!
Você, como Resende e Eduardo, são figuras ímpar que não precisam "permisso" prá pouso lá em casa! Estou finalizando a construção da mesma, e em breve EXIJO a presença de vocês, ok? Vá marcando aí com o Eduardo... Ele disse que deve vir em maio. Já tenho como certo então... He, he, he!!! E não precisa se insinuar não!!! Até porque, aqui no sul, quem se "insinua" é "gilete"... Kkkkkkkkkkkkkkkk!
Estar junto a vocês e ouvir suas histórias, pagam qualquer preço de estadia! na verdade somos nós, motociclistas "comuns", os que deveriam "pagar" para recebê-los e compartilhar experiências!!!
No mais, excelente texto!!!
De tudo um pouco.
Gostei de saber tanto da região como das características da moto.
Parabéns!!!
Abraços;
Adv
 
14/2/2012 10:02:38
CARLOS
Parabéns pelos momentos de aventura e íntrospecção. São depoimentos assim que nos enche de energia p/ pegarmos nossas motos e sair em busca desse momento íntimo. Coincidências à parte, tb tenho uma F 800 GS laranja... Maravilhosas... Forte abç.
 
14/2/2012 10:00:38
CICERO PAES
É isso ! Cada viagem é uma viagem e acerca desses que nos assustam mais que os automóveis, costumo dizer: Em comum apenas as 2 rodas !

Mas você está multado por não aparecer em Floripa !
 
14/2/2012 09:50:51
ADRIANO VANDERSTAPPEN
Tá vendo a diferença??...eu tenho Pousada em Ilhabela e não ficarei constrangido se ficarem na minha casa...ahahahah...assunto : Viagens de Moto?? Ixi, aqui tem muito!!! Espero vcs...Abrax
 

Comente

Nome
E-mail
Comentário
Escreva a chave:
JSHG
 abaixo