As Viagens de Ricardo Lugris

CAMINHOS DA OUTRA EUROPA

A viagem de um casal brasileiro pelas tradições e histórias dos países do Leste Europeu

 
Estávamos atrás de uma cultura que não encontramos no restante da Europa

Chovia sobre o telhado da bela igreja bizantina. O barulho se misturava ao cântico ortodoxo na missa daquele domingo de verão. Os fiéis, indiferentes ao aguaceiro, lotavam o interior do santuário encravado na colina, na região da Moldávia, nordeste da Romênia. Foi uma cena que nos marcou durante a viagem que fizemos por um roteiro fora do eixo procurado pelos turistas na Europa: os países do leste europeu, recém-integrados aos vizinhos ricos pela União Européia.

clique na foto para ampliá-la
EM ASSIS, VISITANDO O SANTO  
clique na foto para ampliá-la
A HISTÓRICA DUBROVNIK  
clique na foto para ampliá-la
FRONTEIRA CROÁCIA E MONTENEGRO  















Aquele é um dos sete mosteiros que foram construídos nos séculos XV e XVI e considerados patrimônio da humanidade pela Unesco. São grandes obras de arte que reúnem murais de pinturas bizantinas, nas paredes interiores e exteriores de suas estruturas. Cada igreja é recoberta de afrescos bíblicos diferentes em cores maravilhosas, que resistiram aos últimos cinco séculos.

Era por momentos como aquele que eu e minha esposa procurávamos quando saímos da pequena Chantilly, ao Norte de Paris, onde vivemos, para percorrer regiões ainda plenas de paisagens rurais e quase inacessíveis. O caminho até os mosteiros da Moldávia fez parte desta viagem de 7.450 Km por 10 diferentes países em um roteiro pouco usual com nossa BMW GS 1200 Adventure, aproveitando o verão europeu.


clique na foto para ampliá-la
KOTOR - MONTENEGRO  
clique na foto para ampliá-la
ENTRANDO NA SÉRVIA  
clique na foto para ampliá-la
MAR NEGRO  
















Partimos dez dias antes e cruzamos a península italiana em direção a Assis, primeira de inúmeras escalas motivadas principalmente pelo interesse histórico. Em Assis, nossa curiosidade era ver a reconstrução dessa bela cidade medieval que foi danificada por um terremoto em 1996. Moto e História são duas paixões que compartilho com minha esposa Graça, com quem nas últimas décadas atravessei 40 países de motocicleta.

clique na foto para ampliá-la
A ROMENIA  
clique na foto para ampliá-la
MOSTEIROS DA MOLDÁVIA - ROMENIA  
clique na foto para ampliá-la
MOSTEIRO NA ROMENIA  















Sobreviventes de guerra

De Assis fomos até Ancona, no Litoral Leste da Itália, à beira do Mar Adriático, onde tomamos um navio para o porto de Split, na Croácia, que está praticamente em linha reta do outro lado dessa enorme “baía”. Desembarcamos na manhã seguinte e tomamos a direção sul para Dubrovnik, majestosa cidade-fortaleza que durante séculos intermediou o comércio entre as cidades italianas de Genova e Veneza e o Império Otomano. O mármore branco do calçamento ainda é testemunha dos séculos de esplendor de Dubrovnik, duramente danificada ao longo da guerra civil deflagrada na região em 1991.

Continuamos rumo ao Sul e, em poucos quilômetros, uma bela e sinuosa estrada se revelou com montanhas à esquerda e o Mar Adriático à direita. Era a região da fronteira com Montenegro, pequeno estado recentemente separado da Sérvia. Nossa BMW teve ali seu maior desafio por estradas travadas. “Se o país fosse plano – ponderou Graça, com ares filosóficos-, não se chamaria Montenegro, e sim Campobranco. “Melhor concordar... A costa de Montenegro tem menos de 80 km, mas é reconhecidamente uma das mais belas de todo Mediterrâneo.

clique na foto para ampliá-la
clique na foto para ampliá-la
Ficamos hospedados em Kotor, uma cidade intramuros rodeada de montanhas. Paisagem de cartão-postal. Conseguimos um lindo hotel junto ao mar e, sem demora, aproveitamos o resto da tarde no Adriático. Deixamos Kotor cedo no dia seguinte para evitar o calor. Mal sabíamos que nas próximas dez horas percorreríamos apenas 400 km. As estradas estreitas, de curvas fechadas, com tráfego de caminhões dirigidos por motoristas completamente inconseqüentes pedia cautela. A cada 200 metros placas de granito negro com fotos de vítimas de acidentes mostravam a seriedade da coisa.

Cruzamos a Sérvia, país sem maiores atrativos, ainda tremendamente marcado na paisagem e no povo pelas recentes guerras da Bósnia e do Kosovo. Tivemos que desviar justamente da região do Kosovo, ainda em conflito, acrescentando 400 km ao roteiro previsto. Pernoitamos em uma cidade sem charme chamada Kralievo a fim de chegar no dia seguinte à Bulgária, conde passamos 24 horas em um belíssimo hotel na capital Sofia. Nosso destino era a Riviera Búlgara, no Mar Negro. O Mar Negro, na verdade, é azul, muito azul. Tem menos sal que os outros da região e suas praias são amplas e de areias brancas. Os búlgaros são um povo amável, porém reservado. Felizes por terem sido aceitos recentemente pela União Européia mostraram sempre muita curiosidade em relação à moto, batendo fotos e colocando as crianças no banco.


Cemitério Feliz

Deixamos a Bulgária pelo Norte e entramos na Romênia. Ali, encontramos Larry e Margie, um simpático casal de americanos que viajava em uma imponente Honda Gold Wing. Há quatro meses percorrendo a Europa, os americanos tinham planos de ir até a capital, Bucareste. Depois de meia hora de conversa, acharam nosso roteiro, que incluía as montanhas do Norte, os mosteiros da Moldávia, a Ucrânia e a Polônia, muito mais interessante que Bucareste.

Na companhia de Larry e Magie enfrentamos as duras estradas da Romênia, um percurso mais tranqüilo para a GS que a Gold Wing, que penava para vencer os intermináveis remendos, desníveis e buracos das pistas construídas ainda sob regime comunista, há 40 ou 50 anos atrás. Os romenos são, em geral, festivos e alegres. Lembra o comportamento mais expansivo dos latinos. Com traços da civilização romana e forte presença cigana, é sem dúvida um dos países mais coloridos e ricos em detalhes que já visitamos. O nível de desenvolvimento é claramente inferior ao dos países vizinhos no Leste Europeu, basicamente um país rural, fruto da ditadura retrógrada à que os romenos foram submetidos durante o período socialista.

A moto precisava negociar espaço com carroças, vacas, cabras, burros, gansos e rebanhos de ovelhas, cujos pastores preferem utilizar a estrada. Muita atenção, porque ao fazer uma curva a 80 km/h não era raro encontrar uma carroça ou vacas passeando tranquilamente, como se caminhassem no pasto. Em um vilarejo perto da fronteira, chamado Sapanta, fizemos uma pausa para conhecer um lugar inédito: um cemitério feliz. Nos anos 30 do século passado, o marceneiro Pasagras decidiu fabricar lápides em madeira onde estivessem entalhados detalhes da vida do defunto: profissão, características pessoais e até a forma como morreu. O cemitério tem hoje decorados em cores vivas todos os túmulos, como se seus ocupantes contassem aos visitantes um pouco de suas vidas e mantivessem, assim, uma espécie de comunicação com os vivos.

clique na foto para ampliá-la
SAPANTA O CEMITÉRIO FELIZ  
clique na foto para ampliá-la
clique na foto para ampliá-la















Cruzamos a fronteira ucraniana por um pequeno posto de fiscalização tão remoto que, a apenas 20 km dali, quando perguntei, um caminhoneiro romeno não fazia idéia de onde ficava. Resolvi arriscar, para espanto dos disciplinados americanos que nos acompanhavam. Passei pela contra-mão ao lado da fila de carros, até a barreira. Com a ajuda dos agentes, passamos em 30 minutos. Isso, graças ao fascínio que as motos criaram nesse lugar perdido no mapa. Um motorista que pacientemente esperava sua vez e seria o próximo a ser atendido me contou que estava na fila há sete horas.


Sabe ler cirílico?

Por boas estradas entramos cautelosamente em território ucraniano. As poucas placas estavam, como na Sérvia e Bulgária, escritas em alfabeto cirílico. Recomendo a quem quer viajar por esses países que decore o alfabeto cirílico. São 32 letras. Ajuda muito: PECTOPAH, por exemplo, significa restaurante. Já não passaríamos fome.

Nosso destino naquele dia seria L´viv, Sudoeste da Ucrânia. Não muito distante da fronteira com a Polônia, jóia remanescente do período de grandeza do império austro-húngaro. Ficaríamos três dias curtindo a bela arquitetura e o clima agradável e ensolarado da cidade. No frescor da manhã e com o prazer de sentir o vento batendo no rosto só deixaríamos L´viv para conhecer a Polônia. Novamente cruzamos a fronteira sem demora graças ao entusiasmo dos policiais pelas motos.


clique na foto para ampliá-la
clique na foto para ampliá-la
A Polônia, depois de percorrer Sérvia, Bulgária, Romênia e Ucrânia nos dá a impressão de ser outro mundo. Por estradas bem mais transitáveis, que permitiram a Gold Wing de Larry finalmente manter a velocidade médica mais elevada, rodamos entre montanhas e vilarejos adoráveis, floridos e bem cuidados, enquanto elogiávamos o bom gosto dos jardins poloneses. Queríamos chegar a Cracóvia, Sul da Polônia, sem dúvida a cidade mais linda do país. Perto fica o conhecido campo de concentração de Auschwitz, que também visitamos. A cidade, alegre e de arquitetura excepcional, é o lugar mais visitado da Polônia.


Em Cracóvia nossos amigos Larry e Margie retomaram o roteiro original. Seguiram para Praga, na República Checa, e nós, para Dresden, na Alemanha. Nos restava uma linha quase reta de 2.000 km até voltarmos para Chantilly.

Depois de 20 dias de viagem, as cores, perfumes e impressões daquelas semanas no Leste Europeu ficaram gravados em nossas memórias
.

... Tudo porque, anos atrás, nos atrevemos a tirar nossa moto da garagem para experimentar maiores distâncias e fronteiras cada vez mais afastadas.





 
 
 
Bookmark e Compartilhe
 

Comentários (10)

2/2/2017 20:30:40
PUJTYOYS
Quico,You went all out on Spongebob Sqarepants when in actual fact I have no ‘vela en este enit1rroRe7;, so to speak. The favicon is webnode.es default icon and I expect a full apology to clear my good name.
 
28/6/2016 13:14:26
H2HAER3OH6Z
Your story was really inmrtfaoive, thanks!
 
16/8/2011 22:00:56
ROZIELI LAVAREDA
Nossa amei tudo é maravilhoso, descobri esse documentario pq sou geografa e fui verificar sobre os paises da Outra Europa" bjos .
 
2/7/2011 01:09:09
GIUSEPPE BORGO
caros amigos, estamos maravilhdos com vossas aventura, é tão sensacional saber que o mundo é tão pequeno sobre duas rodas, temos o maior orgulho de partilharmos destas aventuras, desta amizade, deste carinho, aquele abraço, beppino e eli
 
22/5/2011 00:24:52
SILVANA
To acompanhando amigo, e maravilhoso poder ler essa descricao de uma bela viagem, parabens aos aventureiros, mande mais....boa sorte, que /deus guie os seus passos...
 
18/5/2011 15:13:14
PHILIPPE VANDEL
test de communication
le rosé coule a flot
nous sommes assez sage
on tembrasse
 
18/5/2011 15:07:49
PHILIPPE VANDEL
salut Ricardo
on pense bien à toi ; on est au soleil ; on boit du rosé ; pas du GEGE mais du Provence ; donc tout va bien
nous avons receuilli Maria Grassa ; je la surveille au cas ou ;
nous tembrassons (Grassa aussi)
les Vandels wins company
 
16/3/2011 16:10:00
ALFONSO LUGRIS
Lindo hijo: Al leer tu comentario sobre ese fantástico paseo por esos paises, uno tiene la impresión de estar viajando con vosotros. Las fotos preciosas, me encantó la del cementerio, como tu dices parece que los que se fueron quieren comunicarse con los visitantes.. Un abrazo... Alfonso
 
16/3/2011 07:13:12
MARCELO VORCARO
Mais uma aventura no velho mundo.em países surpreendentes.
O que acho muito legal em sua viagens Ricardo, é que quase todas são com sua esposa.E o melhor é que ela curte. Como tenho filha pequena, fica muito difícil a minha me acompanhar.
Parabéns pelo texto. És um motopoeta !!!
Um grande abraço!!!
 
16/3/2011 03:27:07
FELIPE MIRANDA
Mais uma vez surpreendente Ricardo. É sempre enriquecedor compartilhar das suas experiências em duas rodas.
Bons ventos meu caro.
www.brasilmoto.com.br
 

Comente

Nome
E-mail
Comentário
Escreva a chave:
UTDS
 abaixo