Aventura de Motocicleta em 1960

PASSEANDO POR RECIFE

Clique na foto para ampliá-la
 
Depois do almoço, dispostos a darmos nosso passeio, saímos em direção às praias e durante longo tempo ficamos percorrendo Boa Viagem, vendo em toda extensão da praia, pequenas cabanas com tetos de palha, onde serviam bebidas e petiscos. Eram muitas. Em uma ou outra dessas várias cabanas parávamos para conversar e beber alguma coisa, e assim podíamos apreciar melhor aquela grande extensão de mar sob um enorme céu azul, com algumas nuvens brancas nele pairando.

Na seqüência, se não me engano, fomos até a praia de Piedade que era pouco freqüentada, onde por estarmos sós demoramos um pouco e tivemos a oportunidade em conhecer-nos bem melhor.

Esquecendo-nos da hora, quando demos por conta já estava escurecendo. E por continuar a moto sem farol, imediatamente voltamos retornando pela praia de Boa Viagem.

Nesse retorno e dirigindo-nos para o bairro de Areias, ao passarmos em frente a um quartel no bairro de Afogados onde a rua, como a maioria delas era de paralelepípedos e mal iluminada, eis que de repente e já em cima do problema, vejo à minha frente paralelepípedos soltos e desordenados na rua e com pó de pedra em montulhos e também espalhado sobre eles. O local se encontrava assim porque estavam recolocando os paralelepípedos no lugar após conserto que fizeram em canos subterrâneos, mas não tiveram o cuidado em colocar qualquer sinalização ou aviso, e aí deu no que deu.

Entrei sobre os paralelepípedos que estavam soltos e fiquei brigando com o guidão para manter a moto equilibrada a fim de passar pelo obstáculo, mas não deu. Caí e no impulso da velocidade o “quique” da moto me puxou pelo joelho direito num pequeno trecho. Já no chão e após ter parado, olhei para trás e vi a Zezé que, cuspida da mota logo no primeiro solavanco, ainda dava largas passadas na tentativa de equilibrar-se. Assim que parou de dar as passadas e já ia dominar seu equilíbrio... caiu! Aquilo foi engraçado, mas não era hora de rir. Levantei-me, fui até onde ela estava, ajudei que se levantasse e verificamos que havia sofrido apenas pequenos arranhões nas palmas das mãos. Fora isso, só o susto, felizmente.

Voltei até a moto, levantei-a do chão e reparei haver um pouco de óleo e também gasolina derramada sobre o pó de pedra, mas como não causaria nenhum perigo deixei como estava. Notei também que o tanque de gasolina tinha sido levemente amassado pelo guidão.

clique na foto para ampliá-la
Sentindo que haveria problema com a minha perna, pois estava o joelho sangrando e já um pouco adormecido em conseqüência do traumatismo causado pelo “quique” que caíra sobre ele e ainda arrastou-me por um pequeno trecho, perguntei à Zezé se sabia onde poderíamos nos medicar. Respondeu que no caminho, um pouco mais adiante, havia um Posto do SAMDU (Assistência Médica e Domiciliar de Urgência). Na época havia Postos em todo o território nacional e ficavam abertos 24h todos os dias. (Antigamente as coisas eram diferentes. Instituições desse tipo funcionavam beneficiando o povo, presumindo-se com isso haver menos políticos corruptos).

Quando lá chegamos meu joelho já começava a endurecer, pelo fato da musculatura estar esfriando em razão do tempo já decorrido.

Atendeu-nos uma gentil enfermeira que tratou primeiro da Zezé e somente depois de mim, por ser meu caso mais demorado, porque, além de tratar do ferimento meu joelho, teria de enfaixá-lo.

Terminado todos os curativos, agradecemos e saímos.

Não mais conseguindo “quicar” a moto com a perna direita por já estar endurecida, então inclinei a moto até encostá-la em uma parede e com o peso dela fiz um contrabalanço para poder “quicá-la” com a perna esquerda. Deu certo! Pegou na primeira “quicada”.

Dali fomos direto para casa, deixando a moto no jardim que havia na frente.

Quem ficou cuidando de mim durante o tempo do meu restabelecimento foram: Zezé e a empregada da casa, Maria, que no final ganhou uma gorjeta e ficou toda feliz, desejando que eu caísse mais vezes, foi o que me falou brincando. Mas quem todo dia espontaneamente fazia curativo no meu machucado era a Zezé.

Sabendo que eu ficaria de “molho” alguns dias, o Fernando resolveu visitar parentes da mulher dele numa cidade chamada Guarabira que, segundo informou, ficava cerca de 4 horas viajando de ônibus em chão de terra e pretendia ficar por lá alguns dias. E assim fez.

Lembro-me ser dia 6 de março e eu me encontrava de “molho” com a perna dura e a ferida por cicatrizar. E para completar tinha o caso do dinheiro que ainda não havia chegado ao Banco no centro da cidade.

Sei que no dia 9 de março ainda continuava de “molho” e já não mais agüentava ficar dentro de casa. Para exercitar a perna prejudicada e saber da melhora, resolvi andar um pouco na rua aproveitando que o tempo estava bom.

Nesse mesmo dia, felizmente, recebi da Zezé a agradável notícia da chegada do dinheiro no Banco Nacional.

Fui com ela até lá, retirei o dinheiro e imediatamente paguei-lhe a importância que nos emprestara. Achando onde havia pneu para a roda traseira, deixei para comprá-lo quando estivesse andando com a moto, porque não iria carregá-lo agora na mão.

Tendo retornado de Guarabira à noite e sabendo da minha melhora, o Fernando falou para irmos até Campina Grande assim que eu pudesse, para fazermos a entrega dos bilhetes da Gabriela e da Mariazinha, acrescentando que no caminho poderíamos passar por João Pessoa para que eu conhecesse a belíssima praia de Tambaú.

Achando a idéia excelente, pois já estava com algum dinheiro e bem melhor do meu joelho, concordei e combinamos de primeiramente ajeitarmos a moto.

No dia seguinte, 10 de março, fizemos alguns preparativos necessários, conforme segue: Compramos e trocamos o pneu traseiro; soldamos o paralama traseiro que já estava quase caindo; trocamos o óleo do cárter (usava Castrol 50); e abastecemos o tanque.

Aproveitando o fato de estarmos circulando na cidade, resolvemos passar no Jornal do Commercio e por sorte falamos com um repórter, sendo por ele entrevistados.

Esse dia já foi um teste para o meu joelho que, apesar de não estar bom, nem ter a ferida cicatrizada, já dava para pilotar. Estando então tudo ajeitado, resolvemos dar mais umas voltas a fim de fazermos um teste maior, visitando então os seguintes bairros: Espinheiro, Campo Grande, Encruzilhada e Jardim 13 de Maio.

No outro dia, 11 de março, animados com a nova empreitada e após tudo pronto, despedimo-nos do pessoal que ficaria aguardando a nossa volta de Campina Grande-PB, e partimos em torno das 08:30h em direção à Campina Grande, acontecendo porém de no caminho o Fernando ter aprontado uma das suas...
 
 
 
Bookmark e Compartilhe
 

Comentários (2)

2/2/2017 20:18:22
ZXKUFPAKR
"You do not have an ethical right to penalize Websites that buy links." i completely disagree!I own stock in Google and you are DEVALUING my stock by making Googles index return less relevant results with paid links. I feel Google has the ethical obligation to its stock holders to insure the integrity of the SERPs and therefore make the results as relevant to its users by filtering SPAM.p.s. i also do SEO and have no problem maianninitg top 10 results for my clients WITHOUT doing link trades, buys, etc..
 
28/6/2016 09:44:54
AJ4SRQBFF
Plus Cold Tablets $4.50 each -$2/1 AlektSal-zer Plus Product printable or use $2/1 Alka-Seltzer Plus Product printable or use $1/1 Alka-Seltzer Plus Product, exp. 6/30/12 (RP 03/18/12) or use $2/1 Alka-Seltzer Plus
 

Comente

Nome
E-mail
Comentário
Escreva a chave:
GRBT
 abaixo